Brasileira quer aplicar no Nordeste sua expertise sobre áreas desérticas
15/09/2017 - 8h46 em Notícias

A bióloga carioca Isabel Portugal, 35 anos, mora há cinco em Israel, onde fez o doutorado no Instituto do Deserto da Universidade Ben Gurion, no Sul de Israel.

Ela criou o “NegevNet”, um portal para fomentar intercâmbios, convênios e cooperações entre entidades acadêmicas e empresariais para ajudar a transformar desertos em áreas verdes.

“O objetivo da plataforma é criar uma comunidade científica de agricultura sustentável em terras áridas. Hoje, temos pelo menos 40% da superfície terrestre como zonas áridas e desertos. E dois bilhões de pessoas moram nelas”, disse a bióloga à jornalista Daniela Kresch.

Isabel se inspira no sonho de ex-primeiro-ministro de Israel David Ben Gurion – que dá nome à universidade onde ela trabalha – de transformar o deserto do Negev, que ocupa 53% do território israelense, em uma área verde, produtiva e inovadora.

“O Negev é um deserto-exemplo, um deserto que floriu. A gente chama de deserto verde. Com a cooperação, a gente acredita que o Brasil pode aprender a como lidar como a escassez de recursos em terras áridas e secas. Por exemplo, no Sul de Israel chove cinco vezes menos chuvas do que Nordeste do Brasil. E, mesmo assim, Israel consegue administrar bem esses recursos”.

Em 2016, ela foi uma das organizadoras, em Natal (RN), do primeiro encontro internacional “Brasil-Israel Agricultura e Água”.

Fonte: https://mail.google.com/mail/u/0/#inbox/15e812edeee0c151

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!