Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Hamas ofereceu 100 dólares por família que participasse dos protestos de hoje junto à fronteira da Faixa de Gaza
15/05/2018 11:04 em Notícias
Há dois objetivos principais das ações do Hamas junto à cerca da fronteira com Israel: a principal é criar mártires e vítimas entre os seus; a segunda é a produção de fotos 'de ação' espetaculares para as agências de notícias. A queima de pneus, que acontece desde a primeira manifestação server apenas para criar os cenários apocalípticos para as fotos. Só isso, Foto vendida para a Associeated Press e comerciliazada internacionalmente pela agência de notícias.

O porta-voz do IDF – Forças de Defesa de Israel afirmou que 12 grupos de ataque do Hamas utilizaram a manifestação de hoje, considerada sem precedentes, com mais de 40.000 participantes, para tentar romper a cerca que protege Israel do Hamas. Nenhuma das tentativas foi bem sucedida e do total de mais de 40 mortos neste dia 14 maio boa parte foi destes grupos de ataque e outros eram grupos militares do Hamas que dispararam morteiros contra tropas israelenses em território de Israel e foram contra-atacados pela aviação de Israel. Não parece haver mortos entre os manifestantes civis, mas a propaganda do Hamas e a mídia mundial coloca tudo no mesmo saco de manifestação ‘pacífica’?

Entre os palestinos mortos também estão atiradores de dois grupos com fuzis que alvejaram as tropas de Israel e um terceiro grupo que colocava uma bomba na cerca.

Um dos objetivos do Hamas era o de ocupar espaço em todas as mídias mundiais no dia da inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém e foi bem sucedido nisto.

Esta foto, lindamente produzida e selecionada ilustra uma matéria do principal portal de Portugal ‘provando’ como as mulheres em Gaza estão na frente da luta contra Israel.

Cantando vitória, o governo palestino do Hamas só conseguiu atingir 40% de sua meta prevista de 100.000 manifestantes hoje, mesmo oferecendo 100 dólares para cada família que levasse suas mulheres e filhos para o confronto. O número de manifestantes é alto mas ainda mínimo no seio da população de 2 milhões de habitantes da Faixa de Gaza que parecem ter uma posição mais realista e menos bitolada e jihadistas que suas lideranças.

Há dois dias atrás, no dia 12 de maio, membros do Hamas destruíram completamente o gasoduto que alimenta seu próprio povo com gás de cozinha fornecido por Israel para posteriormente culpar o Estado Judeu pela falta de gás em Gaza. Foi uma atitude vergonhosa num custo de reparação de alguns milhões de dólares.

A foto de SAID KHATIB/AFP/Getty Images é mais uma ação cuidadosamente posada para ilustrar o heroísmo palestino.

Novamente, cerca de uma dezena de pipas de papel conduzindo bombas incendiárias foram utilizadas para tentar destruir plantações em Israel, num tipo de ataque de baixa tecnologia, barato, inteligente e bem sucedido, mas os fogos foram apagados rapidamente por equipes de bombeiros de prontidão da região. Dias atrás um grupo de moradores israelenses região travou um dos mais curiosos combates aéreos da história: usaram drones equipados com tesouras para tentar cortar as linhas de pipas utilizadas pelos palestinos. Algumas pipas foram abatidas e outras cumpriram suas missões ridículas.

Infelizmente continua lamentável a posição de boa parte do mundo e da mídia, que continuam afirmando que Israel ‘ocupa Gaza’ e que a Faixa de Gaza é um ‘imenso campo de concentração’ preferindo ignorar que Israel se retirou de Gaza há 13 anos atrás e que Israel como estado soberano tem todo o direito de proteger sua fronteira de invasões e ataques. A cerca da Faixa de Gaza é para proteger israelenses e não para prender palestinos aos quais não interessa declarar sua independência.

É assim que a mídia palestina vende Gaza para os burros ocidentais que repetem a lenha-lenga de uma ocupação Israelense que não existe e sobre um campo de concentração que não existe.

É assim que o Hamas verdadeiro se vende para a mídia árabe. Como pode um militante da esquerda brasileira olhar para uma foto destas e continuar a dizer que estes soldados são prisioneiros de um campo de concentração gigante?

A posição mais ridícula neste contexto é a de Erdogan presidente da Turquia que acusa Israel de agressão contra os palestinos enquanto está seu país anexando parte do norte da Síria e matando quem estiver na sua frente lá, sejam sírio sunitas, sírios xiitas ou sírios curdos. Mas para os turcos, invadir a Síria não é agressão, enquanto os judeus defenderem sua fronteira é agressão.

Em foto comercializada hoje pela AFP (France Press) a camiseta do palestino de Gaza não deixa dúvidas: JAMAIS A SOLUÇÃO DE DOIS ESTADOS!!! Israel e os judeus não podem existir. A foto em que o jovem parece estar prestes a jogar pedras contra Israel foi tirada longe da cerca, longe da área de protestos.

A manifestação contra a embaixada americana em Jerusalém, ocorrida na capital da Turquia, traz uma mensagem clara e direto que todas as pessoas do Ocidente precisam ouvir: “Jerusalém Pertence aos Muçulmanos”, portanto, só pelas armas eles não voltarão a dominar a Cidade Santa e impor a segregação religiosa por lá. É uma retórica safada e miserável de certos setores do Islã: quando eles vencem uma batalha e conquistam uma cidade, a cidade é deles; quando eles perdem uma batalha e perdem uma cidade, a cidade continua sendo deles… Eles conquistaram a cidade no ano 637, a perderam para os Cruzados Católicos e reconquistaram várias vezes desde então, até mesmo para os mongóis no século 13, até que perderam o controle total da cidade em 1917 para o Império Britânico, reconquistando-0 parcialmente entre 1948 e 1967 e perdendo-o desde então para os judeus. Mas não sabem perder!

Fonte:https://www.menorahnet.com.br/12311-2-552-2/

COMENTÁRIOS